Afastamento de Renan do Senado deixa impeachment ainda mais frágil

01/06/2016 10:56

Caso Janot consiga mesmo afastar Renan, a questão do impeachment da presidenta Dilma se fragiliza ainda mais. As sessões de votação do processo na Câmara e no Senado podem inclusive ser anuladas

Da Redação

O procurador-geral da república Rodrigo Janot estuda pedir ao STF que afaste Renan Calheiros (PMDB-AL) da presidência do Senado e do Congresso Nacional. Tal medida deixaria Renan na mesma situação de Eduardo Cunha (PMDB-RJ), afastado da Câmara dos Deputados.

Segundo o Portal 247, o motivo seriam as gravações de Sergio Machado, ex-presidente da Transpetro; numa delas, Renan se refere a Janot como "mau caráter".

As informações são do jornalista André Guilherme Vieira, do Valor. Vieira destaca que "o entendimento é que o senador estaria utilizando o cargo para obstruir a Justiça. Renan figura como investigado em 12 inquéritos que tramitam no Supremo Tribunal Federal (STF)".

Caso Janot consiga mesmo afastar Renan, a questão do impeachment da presidenta Dilma se fragiliza ainda mais. As sessões de votação do processo na Câmara e no Senado podem inclusive ser anuladas.

Sobre isso, o advogado constitucionalista Frederico M Sanches faz algumas ponderações acerca da defesa de Dilma. Ele diz que  é possível alegar que tanto na Câmara como no Senado (na hipótese do afastamento de Renan), as sessões foram comandadas por parlamentares altamente suspeitos de conduzirem o processo apenas para defenderem interesses pessoais, e não os reais desejos da Nação. 

"Essas sessões devem portanto ser anuladas. Afastados por corrupção não têm qualquer legitimidade para conduzir um processo de impeachment", conclui o advogado.

Voltar

Receba atualizações

Assine a nossa newsletter:

© 2015-2016 Todos os direitos reservados - Reprodução de arquivos apenas com citação da fonte e link para o site

midiapopular.net