Deputados acusados de corrupção querem teste de integridade para o funcionalismo público

12/09/2016 07:05

 Imagem: Flávio Soares/Câmara dos Deputados

Por Camilla Torres, Brasília | O PL 4850/2016 prevê teste de integridade para detectar se servidores públicos são corruptos ou não. Ironicamente, dentre os autores do Projeto há vários deputados acusados de corrupção.

O exame anti corrupção consiste em simular a oferta de propina para testar a integridade do servidor. Haverá dois tipos de teste: o dirigido, aplicado sobre quem já há suspeita de corrupção, e o aleatório. 

Deputados dizem que querem pressa na aprovação da medida. Ministros e alto escalão dos governos devem ficar fora da avaliação. 

Agora veja do que são acusados alguns dos autores do Projeto:

Diego Garcia (PHS-PR): Foi flagrado, em escutas telefônicas autorizadas pela Justiça, negociando com a diretora de uma autoescola a compra da habilitação depois de ser reprovado no teste prático de rua. Fonte: Gazeta do Povo.

Fernando Francischini (SD-PR): Segundo delação premiada do ex-senador Delcídio do Amaral, Francischini fazia parte de um grupo de parlamentares que pedia dinheiro para barrar requerimentos de convocação de empresário na CPI da Petrobras. Fonte: G1.

João Campos (PRB-GO): Foram rejeitadas suas contas da campanha eleitoral de 2014. Tanto o parlamentar quanto o Ministério Público Eleitoral recorreram da decisão. Somente o recurso do MPE foi provido, e a decisão foi reformada para incluir a devolução dos recursos eleitorais de origem desconhecida ao Tesouro Nacional. Fonte: revista.globo.com