Estresse e super carga horária leva professores à depressão e outras graves doenças

25/03/2016 13:34

Imagem: Pixabay

Da Redação

É regra geral em todo o país: estresse da sala de aula e super carga horária levam professores à depressão e outras graves doenças que, muitas vezes, podem resultar até em morte mais cedo ou em inconvenientes restrições na vida. Dados podem ser encontrados em sites das próprias seducs ou através da Lei de Acesso à informação.

Segundo  matéria do UOL, apenas em 2015 136 mil docentes se afastaram para tratamento médico na Rede Estadual de São Paulo. Dentre os motivos, transtornos mentais (sobretudo a depressão), problemas de voz, coluna, problemas circulatórios, insônia e estresse generalizado.

O problema se espalha Brasil afora. A professora Salete M F, de Curitiba, diz que tem pânico antecipado ao aproximar-se das escolas onde trabalha. "Minha cabeça começa a projetar o barulho e o desrespeito dos alunos, o que me faz chorar e muitas vezes voltar do meio do caminho. Hoje só enfrento a sala de aula com auxílio de remédios, diz.

Paulo C M, de Fortaleza, disse que após vinte anos de trabalho em três turnos teve que abandonar a sala de aula com calos nas cordas vocais , depressão e pressão alta. "Hoje levo a vida de forma muito limitada", declara de forma introspectiva.

A docente aposentada Sandra A C, de Belém, declara que o dia mais feliz da vida dela foi quando recebeu sua aposentadoria. "Senti-me como se tivesse me libertado da escravidão. Hoje, embora com vários problemas de saúde, agravados pelos anos de labuta em colégios, consigo dormir em paz", desabafa.

O que fazer?

Todos os problemas enfrentados pelos docentes ao longo da profissão só podem ser resolvidos se houver investimento no setor público do magistério. É preciso criar uma carreira nacional, que possiblite valorização salarial e melhores condições de trabalho a todos os educadores do país.

Sob esses aspectos, é necessário pagar aos que têm a nobre tarefa de educar no mínimo a média remuneratória de outras categorias do serviço público com a mesma formação dos professores. No geral, um técnico apenas graduado no poder executivo, legislativo ou judiciário não ganha menos que R$ 6 mil mensais no início de carreira, algo que distoa do piso inicial nacional do magistério, que está na casa dos R$ 2.100,00.

Nessa linha, é preciso também diminuir a quantidade de alunos por turma bem como o número semanal de aulas dos professores. O alto estresse da sala de aula está basicamente assentado nesse binômio que marca a carreira docente na educação básica.

Para que isso ocorra, no entanto, é necessário que as entidades representativas do magistério se mobilizem e exijam seus direitos. Governos no Brasil, como todos sabem, só cedem alguma melhoria debaixo de pressão. Muita pressão.

Voltar

Receba atualizações

Assine a nossa newsletter:

© 2015-2016 Todos os direitos reservados - Reprodução de arquivos apenas com citação da fonte e link para o site

midiapopular.net