Estudo indica que morte da pessoa amada pode levar a enfarte do companheiro(a) em até 15 dias

27/06/2016 11:59

 Imagem: pixabay

Por Janaína Torres, bióloga

Segundo estudo publicado na revista Open Heart, do British Medical Journal, a morte de um cônjuge ou pessoa amada aumenta de forma acentuada o risco de enfarte no(a) companheiro(a) enlutado(a).

No estudo, a Open Heart analisou casos de 88.000 pessoas que sofriam desta patologia entre 1995 e 2014 e comparou-os com um grupo de controle de 886.000 pessoas saudáveis. Como resultado, ficou comprovado que o risco de fibrilação auricular alcança valores máximos em pessoas que enviuvaram antes dos 60 anos, quando o falecimento é inesperado.

Após 8 a 15 dias da morte do parceiro, o risco de problema vascular fatal é máximo, mas diminui progressivamente. E após cerca de um ano, alcança os níveis normais para a idade.

Segundo Simon Graff, autor do estudo, a morte de um parceiro é considerado um dos acontecimentos mais estressantes na vida de uma pessoa, por isso, há muito tempo que o stress foi ligado à arritmia cardíaca. “Quisemos analisar neste estudo até onde poderia ir a ligação entre as duas coisas”, explicou.

Voltar

Receba atualizações

Assine a nossa newsletter:

© 2015-2016 Todos os direitos reservados - Reprodução de arquivos apenas com citação da fonte e link para o site

midiapopular.net