MEC no governo Temer terá assessoria de burocrata que defende mais aulas para os professores

12/05/2016 13:53

Por Lucille Passos, Brasília / Imagem: You Tube

Segundo uma fonte ligada a auxiliares próximos de Michel Temer, o MEC terá assessoria de Cláudia Costin, a conhecida diretora do Banco Mundial que defende mais aulas para os professores das redes estaduais e municipais de todo o país. Costin foi ministra da Administração e Reforma do Estado durante o governo FHC, entre 1995 e 2002. E também comandou a Secretaria de Educação do Rio, na gestão de Eduardo Paes (PMDB).

Cláudia Costin, em entrevista recente à Folha de São Paulo declarou que a Lei Nacional do Piso do Magistério é ruim porque assegura aos docentes 1/3 da jornada para atividades fora da sala de aula, o que se convencionou chamar de Horário Pedagógico. Para Costin, apenas um 1/4 para atividades extraclasse seria o aconselhável, pois com isso os governos economizariam na contratação de professores.

A lógica dessa burocrata, que certamente nunca deu uma aula sequer na Educação Básica, é simples: professores com mais aulas significa menos necessidade de se contratar outros docentes. Ou seja, mais trabalho diário aos educadores e muita economia para prefeitos e governadores investirem em outras áreas, inclusive em corrupção.

Sindiciatos do magistério de todo o país devem ficar alerta. O governo Michel Temer poderá trazer grandes retrocessos à pasta da Educação, em particular ao setor público.

Voltar

Receba atualizações

Assine a nossa newsletter:

© 2015-2016 Todos os direitos reservados - Reprodução de arquivos apenas com citação da fonte e link para o site

midiapopular.net