Mendonça Filho processa professor e Trabalhadores em Educação lançam Nota de Repúdio contra o ministro

01/12/2016 08:05

Da Redação | O ministro Mendonça Filho (MEC) recebeu Nota de Repúdio durante o XIII Congresso do Sinte-Pi, realizado em Teresina, nos dias 28, 29 e 30 de novembro deste 2016. O evento foi grandioso e contou com a participação de mais de mil delegados, além de convidados, observadores e palestrantes de outros estados, como os intelectuais Emir Sader e Manoel Domingos. Roberto Leão, presidente da Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação-CNTE - também compareceu ao encontro. O Sinte-Pi representa cerca de 90 mil profissionais do magistério.

O motivo do repúdio ao ministro se deve ao fato de o mesmo ter processado um professor piauiense - João Rosa Paes Landim Neto - que criticou neste blog a política de desmonte da educação pública ora implementada pelo governo golpista Michel Temer, de onde Mendonça Filho é um dos mais destacados colaboradores.

A Nota de Repúdio enfatiza que Mendonça Filho, ao processar um docente apenas porque este o criticou, revela o seu (dele) caráter autoritário, truculento e fascista. O texto diz ainda que o ministro está preocupado somente com o seu "eu", e não com a educação pública do país.

Leia:

NOTA DE REPÚDIO
 

(...)

Devido a postura do atual governo federal, o Sindicato dos Trabalhadores em Educação (SINTE PI), entidade que representa mais de 90 mil educadores/as das escolas públicas no Piauí, entre ativos e aposentados, REPUDIA a atitude do Senhor Ministro da Educação – Mendonça Filho que, de forma autoritária, interpelou judicialmente, através da Advocacia Geral da União, o professor piauiense João Rosa Paes Landim Neto, apenas porque este criticou no site Mídia Popular a política de desmonte da educação pública patrocinada pelo governo golpista Michel Temer. Mendonça Filho, além de solicitar direito de resposta ao Mídia Popular, processou o docente sob a suposta alegação de reparação de "danos morais".

É sabido por todos que a decisão do Ministro só tem uma única finalidade, que é de reprimir qualquer movimento contrário aos ideais políticos que vêm sendo implantado pelo governo golpista Michel Temer.

Diante desta postura do Ministro, observamos que a decisão de processar um professor visa barrar de forma truculenta quaisquer ações que venham contrariar a consolidação de medidas que certamente quer implantar de forma inconstitucional, proporcionando um verdadeiro desmonte da escola publica no Brasil.

Observa-se que a preocupação do Ministro é alheia ao papel que ele está exercendo. Pois vejamos o que diz no direito de resposta concedido pelo Mídia Popular:

“Desde que assumi o Ministério da Educação - MEC, tenho sido vítima de campanha permanente de propagação de notícias inverídicas na internet, espalhadas nas mídias sociais - Facebook, Instagram, Twitter -, tendo como base de conteúdo sites de notícias ligados a políticos, partidos e militantes partidários, cujo único compromisso é gerar falsas informações para atingir a imagem dos adversários. É uma verdadeira guerrilha digital montada para atingir a minha honra, a minha imagem e gerar tumulto junto a diversos seguimentos da sociedade como professores, estudantes, beneficiários de programas desenvolvidos pelo MEC e a sociedade em geral", escreveu o Ministro.

A partir da própria mensagem do Ministro pode-se perceber que antes dele estar preocupado com a educação, está em primeiro lugar é preocupado com o seu "eu".

Observamos que o senhor ministro deveria estar preocupado era com a qualidade da educação do Brasil, e não com o que falam dele.

Teresina Piauí, 30 de Novembro de 2016
XIII Congresso Estadual do Sinte Piauí