Para bancar aumentos no Bolsa-Família e Judiciário, Temer criará mais impostos e arrocho à população

30/06/2016 09:50

 Imagem: Agência Brasil

Por Fernanda Burlamaque, Brasília | Para tentar barrar a enorme rejeição da maioria do povo, o golpista Michel Temer (PMDB) apela à velha fórmula populista de governar. Neste sentido, autorizou reajuste de 12,5% para o Bolsa-Família, aumento para o Judiciário e criou mais de 14 mil novos cargos para agradar aliados. Na manchete do Estado de S. Paulo, informa-se que o "pacote de bondades" de Temer custará R$ 125 bilhões.

Isto não seria nenhum problema se o próprio Temer e a imprensa golpista que o apoia não estivessem defendendo o afastamento em definitivo da presidenta Dilma Rousseff (PT) sob a acusação de que ela editou R$ 2 bilhões em créditos suplementares para 'manter programas sociais. Alegaram os golpistas que isto 'quebrou' o país.

Ora, se o país estava 'quebrado', como é que agora arranjou tanto dinheiro para fazer agrados a setores da população? A equipe econômica de Temer tem a resposta na ponta da língua: criação de mais impostos e reforma da previdência..

Sobre isso, Eliseu Padilha, da Casa Civil, e Henrique Meirelles, Fazenda, já anunciaram que vão reeditar o imposto da CPMF e mudar a previdência para que a idade mínima para aposentadoria de homes e mulheres passe a ser 70 anos. Com a CPMF, os golpistas estimam arrecadar em média R$ 33 bilhões por ano. Com a elevação da idade para aposentadoria, o saldo será ainda maior, pois muitos brasileiros sequer se aposentarão, vez que a idade estipulada é superior à expectativa de vida em muitas regiões do país.

O 'saco de bondades' de Temer é para começar a vigorar antes da votação final do impeachment no Senado. Já o de maldades, só se a presidenta Dilma não voltar.

Voltar

Receba atualizações

Assine a nossa newsletter:

© 2015-2016 Todos os direitos reservados - Reprodução de arquivos apenas com citação da fonte e link para o site

midiapopular.net